quinta-feira, 19 de maio de 2016

És a fonte que sacia minha sede ( Poema Erótico )

Fecho os olhos, abro as narinas
Sinto o aroma que exala da fonte
Que teu corpo me quer oferecer
Qual água cristalina de desejo
Em bolhas pequeninas
Dádivas de volúpia, elixir do teu ser
Cai a noite sobre nossos desejos
Percorro o caminho
Tua fonte de prazer, meu ninho
Onde deposito meus beijos
És o meu instante, carinho
Meu imaginário, sentimento
Meu baloiço, minha rede
Minha fonte de alimento
És meu desejo, meu momento
A fonte que sacia minha sede

Che bontà. … nn mi staccherei mai da te
.....

9 comentários:

  1. Poema lindo, de homem que sabe saborear essa fina iguaria.
    Parabéns Sr Nuno pela delicadeza das palavras. Adorei.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá amiga {sublime female}_DOM FA

      Não sou eu que tenho delicadeza nas palavras. És sim tu que és possuidora de uma enorme e sedutora sensibilidade de análise ... poética
      .
      Bjuuuuuuuu doce

      Eliminar
  2. Boa tarde Nuno
    Excelente, o teu poema...Fiquei deslumbrada, com o seguinte:

    ""És o meu instante, carinho
    Meu imaginário, sentimento
    Meu baloiço, minha rede
    Minha fonte de alimento
    És meu desejo, meu momento
    A fonte que sacia minha sede"" -> Sou isso tudo?? kkk
    Lindo menino- Adorei.

    Parabéns, Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Maria dos Anjos

      Sublinhaste isso tudo só para me dizer que gostaste do verso: Meu baloiço, minha rede

      Fica feliz

      Eliminar
  3. Nuno, que poema lindo e sedutor, só tu escreves desta maneira maravilhosa e encantadora. Palavras sublimes de uma ternura que encanta, a imagem é uma tentação ao imaginário

    beijinhos Nuno

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Vanessa Flor

      Sempre uma simpatia e está tudo dito

      Bjuuuuuuuuu

      Eliminar
  4. Todo homem deveria ser tão poeta como tu, porque o Sexo Oral merece uma poesia sempre. rsrs...

    Abraço.

    ResponderEliminar
  5. Abro os olhos, leio os versos
    Num desafio doce à razão
    Sinto a alma de poeta
    Que te veste o coração.

    Uma alma que me toca
    Que me exalta o sentimento
    Sempre que, nua, imagino
    O teu corpo em movimento.

    Cai o pano pelo chão
    Geme o corpo com prazer
    Sobe, desce e sobe a mão
    És o Sol a renascer.

    És a minha companhia
    O refúgio que me abriga
    Onde escondo a minha alma
    Num desafio a quem sou
    És o leito, és a foz
    Meu recanto, és energia
    És a fome que, por magia,
    Quer gritar "- Aqui estou."

    Dádiva de um hoje
    Que acelera o amanhã que já vem
    És a luz que me ilumina
    O desejo que o corpo tem.

    És poeta, és sedutor
    És um abraço na multidão
    És esforço sem pudor
    És exímio sonhador
    Nesta rede de ilusão...

    Beijo. Laura A.

    ResponderEliminar