terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Classificação e Divisão no género... Sexualidade.

Desde os tempos mais remotos que a sexualidade sempre foi quase um tema tabu. Um “crime” lesa/personalidade e honra, principalmente para as mulheres. 

Raros eram os pais que preparavam os FILHOS/AS para a vida sexual. Antes pelo contrário, incutiam-lhe a “vergonha” de ter sexo antes de casar, ( mulheres) quando se sabe que não seria vergonha nenhuma. Mas um facto é que as coisas aconteciam. Um pouco, embora não só, pela existência dessa "vergonha" encapotada, muitas mulheres tinham filhos, sendo mães solteiras em função de certos tabus e desconhecimento sexual. Hoje também acontece, embora em muito menor número, e por outras razões.

Falar de sexo era o mesmo que ser uma pessoa sem carácter, uma vadia/vadio, um/a sem vergonha, sem respeito pelo seu semelhante. Felizmente que com o decorrer dos tempos, esse bloqueio acabou, para bem da saúde sexual e mental de cada ser humano.

Na minha humilde opinião, a sexualidade humana, divide-se em quatro conceitos/vertentes: » Género sexual; Papel sexual; Orientação sexual, Identidade sexual. 

A diversidade sexual ajuda o espírito a “viver” mais aberto, com mais jovialidade, ajudando e facilitando a que todos sonhem ou vivam fantasias outrora inimagináveis, ou pelo menos, fechadas em cada ser humano, de forma quase tipo… mausoléu

Género sexual: Esta vertente classifica o nascimento, conforme o sexo da criança seja masculino ou feminino. A partir dessa classificação gera-se de imediato na mente dos progenitores algo de mais além. Uma das principais géneses é a forma como se vai criar/educar essa criança. Rapaz será acompanhado e ensinado a ser homem, e mulher será como mulher. Existe de imediato a separação do género masculino/feminino, no caso específico, na imagem visual do corpo.

Papel sexual: A própria sociedade faz a destrinça entre o papel que cada um terá na vida. Os comportamentos de cada, masculino/feminino, serão diferentes, e aceites como tal. O papel sexual que cada um venha a ter não tem nada a ver com a orientação sexual que cada um venha a escolher. Ou seja, mesmo que um homem ou mulher sejam mais “delicados”, numa génese mais feminina, o homem, ou masculina, a mulher, não quer dizer que tenham de ser obrigatoriamente homossexuais.

Orientação sexual: Muitos estudiosos sexólogos, assim como a voz do povo, numa construção genérica, classificam a orientação sexual do adulto, na forma como foram orientados/educados em criança. Colocar um menino a brincar com bonecas, fazer renda, croché, e/ou outros géneros análogos, ou uma menina a jogar futebol com rapazes, jogos de computador mais adequados para meninos, subir às árvores, enfim uma enorme quantidade de pormenores que, dizem originar que, a orientação sexual, pode ser influenciada por essas questões. 

Se calhar até terá algo a ver, mas na minha opinião, se tiverem, será numa ínfima percentagem de situações. O termo orientação sexual baseia-se mais especificamente na atração física, desejo corporal, por pessoas do mesmo sexo – ou do sexo oposto – daí a classificação de Homossexual, heterossexual, e/ou bissexual.

Identidade sexual: Esta classificação, é talvez, a mais complicada ao nível da sexualidade. Isto porque mexe muito com o íntimo e personalidade da própria pessoa.
O aceitar menos bem por uma sociedade machista e divisionária, numa questão comportamental, ao nível dos conceitos sexuais, nem sempre deixa que a pessoa se assuma na sua identidade sexual, "obrigando-a" a fechar-se no seu casulo, sofrendo as agruras de falta de liberdade na sua mais digna expressão, ao nível sexual. Muitos seres humanos, mais sensíveis, são considerados homossexuais, quando o não são, enquanto que, outros, pelo ser esforço e disfarce, são considerados heterossexuais, quando o seu intimo o não deixa ser.

A vida sexual será muito mais fácil de viver quando todos os géneros forem aceites como naturais e normais na sociedade humana. Enquanto tal não acontecer viver-se-á em muitos casos, uma sexualidade mentirosa.

De uma vez por todas temos que aprender que a sociedade dentro das vertentes sexuais, é formada por PESSOAS, e não, por géneros classificativos, na divisão machista homem/mulher. 
Pessoas, e sempre… Pessoas.

Na vossa opinião a forma como uma criança é criada/educada no seio familiar - ou outro - poderá ter alguma influência, ou poderá interferir, na sua orientação sexual em adulto?
.

11 comentários:

  1. Boa tarde!
    Sinto saudades deste cantinho.
    Ainda bem que os tempos mudaram, embora em algumas situações ainda hajam alguns tabus, no que diz respeito à orientação sexual de cada um. Muitas pessoas escondem a sua orientação ou outros derivado aos familiares e amigos que não aceitam.

    Ainda sou do tempo em que, ou pelo menos, no meu caso não me foi dada a informação sexual, era um deus me livre. Isso não se explicava aos filhos/filhas, mas as coisas aconteciam e muitas das vezes apareciam as gravidezes indesejadas, a ponto de obrigar a casar, onde muitas vezes nem existia amor.

    Felizmente que, apesar de não ter tido nenhum tipo de informação, não aconteceu engravidar antes do casamento, pura sorte, mas casei por já não ser virgem, era assim. No entanto, já no tempo deles as coisas aconteciam... Depois haviam os filhos de pai incógnito, coisa que hoje não existe, e ainda bem!

    Penso que também entre casais e refiro os mais velhos, a sexualidade está mais aberta. Antigamente a mulher era um objecto que servia para o sexo, para procriar, e para fazer a vida de casa e tratar dos filhos. longe estava a liberdade da mulher poder manifestar-se no acto sexual, era até "vergonhoso" sentir qalquer tipo de prazer. Graças a deus que as coisas mudaram.

    Como mulher, e mãe, acho que a educação sexual deve-se ir incutindo nas crianças, dependendo das idades. Quando entram para a escola, penso que aí podemos ir explicando as coisas. (no meu tempo, nem a questão período menstrual me foi explicado). Era assim!

    Nas questões profissionais é muito difícil a aceitação de casais do mesmo sexo. Até se souberem que fulano é Gay, ou lésbica! é o que penso. Mas infelizmente é assim.

    Parabéns meu querido Nuno Filipe, por nos abordares um assunto como este, tão bom e tão importante, que de um certo modo nos enriquece...
    Muito obrigada. Beijoos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OLá Anginha Sexy

      Obrigado pelo comentário que li com toda a atenção

      De facto é mesmo assim como descreves. Pelo menos também é assim que penso

      Bjuuuuuuuuuuuuuuuuu

      Eliminar
  2. Um artigo muito importante.
    Onde comungo das palavras da Anjinha Sexy.
    Apenas acrescento uma coisa. Podemos e devemos explicar tudo isto aos nossos jovens e crianças. Mas jamais contrariar a sua opção sexual, não devemos deixar que vivam de mentira. Devemos dar os melhores conselhos, isso sim, e o que é melhor para eles, mas devemos também dar-lhe a liberdade de serem eles próprios.

    Ainda bem que as mentalidades começam a mudar!

    Adorei de coração, o teu artigo
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Belíssima postagem!

    Ainda bem que tudo mudou, ou vai mudando. Ainda bem que a mulher deixou de ser "um objecto" para satisfação sexual. Tudo muda. Temos também de mudar as nossas mentalidades a respeito de todas opções sexuais. Claro, nunca esquecendo que a educação poderá vir do berço, o que não conta para a opção. Mas é nossa obrigação esclarecer tudo, seja em que idade for.

    Adorei. Obrigada
    Bjocas

    ResponderEliminar
  4. Mais um texto/artigo, como diria um grande amigo meu: Ao mais alto nível. Não preciso de dizer mais nada. Apenas digo, as coisas embora custem, mas estão a mudar.
    Parabéns pelo artigo

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Bellissimo post ed argomento interessate.
    Credo che molta parte dell'educazione sessuale sia stata condizionata e lo è ancora dalla religione, poi la società e l'ambiente hanno contribuito a creare dei tabù ad oggi ancora difficilmente superabile.
    Condivido il tuo pensiero e quello Anjinha e trovo molto bello che in un blog come il tuo, si scrivano questi post che fanno riflettere.
    Bravo.

    ResponderEliminar
  6. Concordo na íntegra com o descrito no texto. Fantástico tema e belíssima abordagem às questões
    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Ótima colocações. Ao final ainda melhor, pedindo que todos aceitem as diferenças.

    http://contoseroticosesafados.blogspot.com.br/

    Grande Abraço!

    ResponderEliminar
  8. Um artigo lúdico escrito com grande objectividade que nos ensina outras vertentes sexuais. Já saí deste blog com muitas perspectivas e mente mais sábia!Parabéns a todos!

    ResponderEliminar