sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Sexualidade e Sensualidade...e suas diferenças Genéticas.

Hoje, vou partilhar com os meus leitores/as a minha humilde opinião, num quadro genérico, sobre algumas diferenças existentes entre as palavras: » Sexualidade e Sensualidade.

O termo Sexualidade não se resume ao impacto generalizado que a própria palavra encerra, mas sim, num espaço muito mais abrangente, abarcando inúmeros factores, e por isso, muito complicado e difícil de concentrar na dita palavra uma definição única e exclusiva que tenha um fim explicativo absoluto.

Sexualidade é totalmente diferente de ... Sensualidade.

Num género mais simplista, poder-se-á dizer que a sexualidade, no contexto mais intimo, se inicia conjuntamente à adolescência de cada um, ou até da puberdade, factores que acontecem pelos 12/13 anos – norma não taxativa. Será um dado adquirido? Não, não é.

Nessa idade nasce sim, com mais ênfase, a génese sensualidade. A sexualidade remete-nos para um espaço temporal e universal onde tudo é relativo, intimo e pessoal, onde os paradoxos de cada situação, podem ter influência vincada e primordial. A sexualidade pode ser comum a vários indivíduos. A sensualidade é diferente. É mais una e pessoal. Não se divide, embora se transmita através de certos factores muito próprios e pessoais. 

Cada pessoa é uma pessoa diferente. O meio onde é criada/educada, onde vive, pessoas que a rodeiam, situações e/ou estímulos da sua vivência diária são, talvez a maior “culpa” da mais tardia ou mais precoce, entrada no género Sexualidade.

Todos as situações atrás referidas, onde podemos e devemos juntar diversos factores culturais, chega-se à conclusão que, a noção mais exacta da sexualidade, é a descoberta de determinadas sensações que fornecem prazer, seja por via da visão, do toque, da palavra, do beijo, e/ou do contacto corporal, entre outros factores análogos, que podem existir entre pessoas do sexo oposto ( ou do mesmo sexo )

Todos esses géneros, estão directamente ligados a factores genéticos e culturais, onde o próprio contexto corporal mexe e exercita a libido que se começa a desenvolver no intimo de cada ser humano por volta da idade acima referida.

Muitos estudiosos sexólogos, entre outras pessoas comuns, defendem que o conceito de sexualidade, se interliga com o sexo em si. Ou seja: Sexualidade não é sexo, mas complementa-se.
Concordo na sua essência A sexualidade não pode nem deve ser vista ou apreciada num contexto  radical e taxativo, embora estejam interligados na acção e sensações visuais e corporais.

Também não concordo que se diga que cada pessoa decide por si o momento propício para exercer activamente a sua sensualidade, no desejo físico, no que concerne à sua acção mais imediata. O sexo sim. A pessoa decide quando deve compartilhar a nível sexual a sua sexualidade na mais extensa e nobre dimensão da palavra. Mas a verdade é que uma pessoa pode ser extremamente sensual, desfrutar da sua sensualidade, sem que para isso tenha que existir propriamente … sexo.

Infelizmente, nos tempos actuais, ainda existem certos pais/tutores/educadores/professores, que não falam com os jovens sobre sexualidade e/ou sensualidade. Na minha humilde opinião, deveriam fazê-lo.

Todo a criança/ jovem/adolescente, independentemente, das situações de vivência que desfrute, a partir de determinada idade ( quiçá /9/10/11/12 anos), embora apenas para si mesmo, começa a descobrir em si o surgimento da sensualidade e, por consequência, começam na sua mente as interrogações sobre sexualidade. 
Tudo isso em consequência das modificações que vão acontecendo no seu corpo, começando assim  a ter uma visão muito própria sobre a ... sexualidade.

Os jovens, regra geral, precisam de ser esclarecidos, tirar-lhe as inúmeras dúvidas que “atacam” o seu pensamento no que concerne à sexualidade e até sensualidade.

É normal nessas idades começarem os “medos” por desconhecimento da raiz fulcral do que são, e do que serão no amanhã. Uma palavra, feita numa conversa simples e bem orientada, entre si  e os pais, será certamente muito útil na sua caminhada e aceitação da sua própria sensualidade e sexualidade.

Espero a sua opinião sobre os factos em apreço.
 .

5 comentários:

  1. Bom dia
    Um texto muito bom que, merece ser lido e discutido por quem sabe.
    Sinto-me incapaz de o comentar perante o nível que tem o artigo
    Mas sei que existem idades de jovens muito perigosas, que confundem sensualidade com sexualidade, ou vice versa.

    Parabéns. E desculpa por não estar de momento à altura para o comentar como merece.

    Bjos

    ResponderEliminar
  2. O ano começou corrido e tem me feito faltar algumas vezes mas tão logo consigo um tempo venho, pq gosto daqui.
    Quanto ao texto, penso que a sexualidade está mais ligada ao conjunto de todas as características que cada indivíduo apresenta conforme o sexo a que pertence, ou seja todos os aspectos de sua atividade sexual.
    Já a sensualidade é mais lúdica, é como a pessoa manifesta essa sua propensão ao sexo, o que exala dela, como se deleita no sexo.
    Ótimo assunto.
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Mais um texto de verdadeiro ensinamento!
    Gostei muito.

    ResponderEliminar