segunda-feira, 18 de julho de 2016

A arte sexual da vertente BDSM. Será submissão feminina ou prepotência do "dono", as Imagens que vos mostro?

Confesso a minha ignorância sobre a vertente sexual denominada de BDSM. Como curioso que sou por vezes vejo imagens alusivas ao facto. Por  simpatia da administração desses, gosto de visitar blogues que falam sobre submissão, onde existem "Donos", "Senhores do Além", "Reis Sexuais", entre outros.

Esta imagem segundo li algures faz parte da vertente BDSM. Uma mulher submissa, de pernas presas com correias de cabedal ao nível das canelas, ostentando uma bola - não sei o nome - na boca enquanto o homem mete um vibrador da sua vagina. Diferente em sexo? Sim. Normal em sexo? Talvez sim. Sou fã? NÃO.


Outra cena que, ao que sei, faz parte da submissão da mulher perante o seu dono. A mulher caminha, qual "cadelinha" obediente ao seu "proprietário sexual", enquanto que esse, lhe dá palmadinhas nas nádegas como incentivo a continuar a caminhar. Normal em sexo? Talvez sim. Respeito que gosta e se sente bem. Gostos não se discute, Não condeno que se realiza assim sexualmente. Sou fã? NÃO.


Outra imagem de igual conteúdo e contexto, sendo que aqui, o homem puxa pelos cabelos da mulher que o segue de forma ordeira e obediente.  Normal em sexo? Talvez para quem pratica a vertente BDSM. A submissão da mulher é um presente para o seu "dono sexual". Sou fã? NÃO.


Por sua vontade e/ou por vontade do "dono" a mulher é presa com correias nas pernas e costas, ficando de quatro, debruçada sobre uma mesa, enquanto o homem a, e se satisfaz sexualmente. Será certamente uma situação do agrado da submissa que quer satisfazer o seu "senhor sexual", bem como, se satisfazer a si mesma. Sou fã? Da mulher presa com as correias, NÃO. Da posição em forma livre, SIM.


O homem arrasta a mulher pelo chão puxando-a pelos cabelos. Para muitos tal acção não passará de estupro, violência sexual e/ou corporal, falta de respeito para com a génese feminina. A acção, há 1.ª vista, parece brutal. Mas não é. Esta acção faz parte da brincadeira entre dois membros que praticam a vertente BDSM. Tal acção, que não consideram violenta, faz parte da submissão e de uma forma de gozo e prazer que é aceite por ambos os parceiros, que os realiza sexualmente. Sou fã. NÃO.


Continuando dentro do conceito que gostos não se discutem, deixo-vos esta imagem que nada tem a ver com a vertente BDSM. Sou fã? SIMMMMMMMMMM
.
Qual a vossa opinião sobre a matéria de facto?
Dentro do contexto que imagens acham positivas e não positivas?
Acham que alguma das imagens é exagerada dentro do contexto da submissão e vertente BDSM?

Deixem a vossa opinião sincera.
.

9 comentários:

  1. Bom dia
    Como já disse algumas vezes, não aprecio estas práticas. Não critico. Respeito, penso que para o fazerem é preciso muita coragem. Talvez por "amor" o fazem. Penso que ninguém o fará à força.Quem entra, sujeita-se, pois ninguém entrará de "olhos fechados".

    Continuo a preferir a última. Gosto de muita meiguice. Também assim uma aceleração no momento certo, também gosto.Tudo QB.

    Mais um post muito bom. Parabéns, meu lindo!

    Bjos

    ResponderEliminar
  2. Sinto-me um pouco "analfabeta" para comentar este post, derivado à sua categoria. Deixo para quem apareça e o saiba comentar.
    Não obstante, a ultima imagem, é de fazer crescer água ..... na boca :))

    Beijinhos Nuno
    Prazeres e Carinhos Sexuais

    ResponderEliminar
  3. Das imagens da pratica, talvez que que toleraria, seria a numero 4, no entanto estou de acordo contigo e a ultima é sem dúvida a prática que sou fã :)

    ResponderEliminar
  4. Amigo Nuno Filipe.... uma postagem que permite um debate sensacional, com ótimas possibilidades de discussão.
    Não sou adepto da prática BDSM. Conheço-a, há pouco tempo.
    Nunca fui fã dessa prática....
    O que podemos é levar em consideração que há pessoas que gostam e praticam.
    E isso é o mais importante, a liberdade sexual, desde que todos se respeitem.
    Deixo os parabéns por tocar em tão "espinhoso" assunto!!!

    ResponderEliminar
  5. Boa noite, Nuno.

    Também NÃO sou fã, embora respeite os gostos diferentes dos meus quando feitos de livre vontade.


    "Qual a vossa opinião sobre a matéria de facto?"

    Resposta: Acho que quem se identifica com a prática talvez possa ter uma sexualidade não muito saudável por associar o prazer à dor, seja sofrendo ou causando sofrimento a alguém.


    Dentro do contexto que imagens acham positivas e não positivas?

    R: São imagens que não dignificam o gênero feminino, com exceção da última. Seria uma agressão consentida, mas que expressam a ideia de uma vivência sexual adoentada.


    Acham que alguma das imagens é exagerada dentro do contexto da submissão e vertente BDSM?

    R: Não sei dizer

    ResponderEliminar
  6. Ninguém contesta que esta vertente está bem enraizada na sociedade. O porquê não consigo entender talvez porque não sou adepta desse tipo de submissão/violência.
    Julgo que terão prazeres orgásmicos assim e deve arrebitar outras mentes.
    Como ja tenho dito, no sexo vale tudo e o factor crucial é a empatia. Se ambos gostarem então devem dar largas à suam imaginação e obter o máximo prazer.
    Muito bom artigo Nuno Filipe e sempre actual.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se ambos gostam e fazem de livre vontade, é válido. Mas sobre o porquê, suponho que seja um resquício dos tempos em que o prazer era essencialmente masculino e as mulheres, por mherança do patriarcalismo, tinham que se comportar de maneira bem submissa...

      Curiosamente, hoje existe uma vertente oposta com o homem se sujeitando ao desejo da mulher. Certa vez li que, na Inglaterra, cerca de 30 mil homens passam o dia na rua usando cintos de castidade deixando com suas mulheres as chaves, o que, no nosso contexto, não é outra coisa senão um fetiche.

      Eliminar
  7. Olhando as imagens até parecem divertidas. Mas sinceramente onde está a tesão disto? Umas palmadinhas aceitam-se, e até uma luta assim onde andam almofadas pelo ar, ehehehe, mais que isso não. No entanto, tenho que aceitar os gostos de cada um.
    Se gostássemos todos das mesmas coisas, estávamos mal.
    Por isso, este artigo está muito bom e bem escrito.

    Abraço.

    ResponderEliminar