quarta-feira, 20 de julho de 2016

Namoro na Adolescência. Carinhos Únicos, Inigualáveis. Inesquecíveis.

Hoje vou falar-vos um pouco em "jogos de sedução", na adolescência.. Quem de nós, quando muito jovens, ainda dentro da áurea da ingenuidade, e nada sabemos sobre a vida Sexual activa, não fomos intervenientes em fortes e profundos jogos de sedução. Claro que nem só na adolescência mas, o certo é que, quando se começa a descobrir o corpo na questão mais sexual, as coisas a nível sensual são diferentes.


Os primeiros beijos. Quem esquece os primeiros beijos. Aquele toque dos lábios tão tímidos e envergonhados. Por vezes tão secos pela ansiedade. Os primeiros toques de língua, sentir a libido em alta efervescência. A garota ir para casa toda molhadinha de excitação. O rapaz ir embora com dor nos testículos por não ter ejaculado.


Quem esquece aqueles momentos mais afoitos em que o rapaz, mais atrevido, levanta a saia da namorada, acariciando-lhe as nádegas. Aqueles gestos em que ela tenta impedir com as mãos - sem "força". O rapaz meio envergonhado que nem olha a namorada de frente.


Quem se esquece daquele momento em que o rapaz mete a mão pela 1.ª vez dentro da calcinha da namoradinha e lhe toca o sexo. Como esquecer a forma como ela tenta fechar as pernas aos avanços do rapaz não deixando contudo que o seu arfar seja a mensagem, perante os ouvidos do rapaz, que deseja que o namorado lhe toque dentro da vagina escaldante de molhada, com o clitóris quase a saltar para fora dos lábios vaginais, de tão inchado que está.

#Touch #Rub #Fire up

Quem esquece a 1.ª vez que através de caricias feitas pelo rapaz na bucetinha da garota, essa atinge o ORGASMO de uma forma que a leva ao sétimo céu. Haverá hipótese de se poderem ser esquecidos momentos como este?


E daquela vez em que a rapariga ainda virgem brinca com o pénis do namorado passando-o por entre os lábios vaginais até os dois atingirem o orgasmo? Quem nunca fez isto na adolescência?


Qual o homem que se esquece do 1.º oral que fez a uma mulher/namorada fazendo-a vibrar de prazer?


Quem se esquece do 1.º oral que a namoradinha nos fez e que nos deliciou enchendo-nos de prazer?



Quem se esquece daquela rapidinha que se deu no sofá quando por momentos os papás nos deixaram em casa sozinhos, quando foram beber um café? A adolescência é única. Linda. A descoberta corporal é maravilhosa.

Se tiver algo a contar e se o quiser fazer a caixa de comentários é sua.
.

14 comentários:

  1. Bom dia Nuno. Na verdade, descreveste aquilo pelo que passei. As descobertas e com essas descobertas vamos percebendo o nosso corpo e o corpo do outro, há quem diga que prefere as inexperientes, dado que as experientes parecem algo mecânicas. Eu digo que um pouco de loucura e imaginação faz bem. Mas sim, o meu primeiro beijo, lembro-me perfeitamente, e ele ainda hoje me cumprimenta na rua com a maior das naturalidades, tal como eu... É uma época bonita em que não quer dizer sim... Beijos

    ResponderEliminar
  2. Delícias deliciosas!!
    Tenha uma boa 4ª feira...

    Bjos felinos e selvagens

    ResponderEliminar
  3. Um delírio que nos leva a certas recordações, apesar de, agora ser bem diferente. Quem de nós não gosta destes carinhos, ou não tem saudades?

    Adorei a postagem! Parabéns.
    Bjos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Larissa.

      Acho que pelo fato de muitos sentirem saudades, é comum que, entre casais, o marido peça para a esposa vestir-se como uma colegial. São fantasias que muitos temos mas que só se realizariam passageiramente por ser impossível "tomar banho duas vezes no mesmo rio" como escreveu o filósofo.

      Conforme comentei abaixo em resposta ao Nuno, minha adolescência foi reprimida pela timidez e os valores morais religiosos, algo que muito me bloqueou para o namoro naqueles tempos.

      Eliminar
  4. Olá, Nuno.

    Confesso não ter tido tantas descobertas assim no auge da adolescência pois era um rapaz tímido e reprimido pela religião, de modo que apenas com meus 17 pra 18 anos dei o meu primeiro beijo apesar de ter experimentado o sexo pago aos 16 com uma profissional (sem beijo). E fui à procura da experiência sozinho sem ajuda de um amigo ou parente (vejam aí o outro lado de quem é tímido...)

    Todavia, não considero como ideal o rapaz iniciar-se sexualmente com uma profissional ou com quem ele não ama, muito embora não esteja aqui condenando ninguém por atos sexuais que sejam consentidos já que, nos meus valores de aceitação bastam as duas pessoas capazes quererem

    De qualquer modo, não me sinto frustrado por ter deixado de namorar na adolescência. Bem sei que essa foi uma fase amarga de minha vida e que já passou, não desejando revivê-la e nem ter experiências com uma adolescente curiosa, ainda que sinta alguma atração pelos corpos delas (das que possuem 16 anos para cima).

    O que vejo de proveitoso nessa fase da vida quando ambos são ainda inexperientes é que existe o sabor da descoberta e rolam mais carícias do que os atos violentos. Sem que haja ainda a penetração, esta muitas vezes traumática para a mulher, o jovem casalzinho tem a oportunidade de brincar de diferentes modos e, se bem orientados, conseguem realizar tudo de maneira segura com bastante imaginação.

    Interessante que nessa época os adolescentes têm descoberto primeiro os carinhos do sexo oral antes de conhecerem a penetração, o que ajuda a preparar a jovem para o sexo, podendo ela conhecer o orgasmo pela boca do namorado antes de deixar a virgindade assim como compartilhar com ele a exploração do próprio corpo.

    Só que nem tudo são flores. muitas vezes falta entre os adolescentes a delicadeza no trato da mulher assim como a discrição dentro de uma sociedade ainda perversa com gente conservadora e hipócrita que nem sempre respeita a intimidade e a privacidade do outro. Assim, pondero que muitas das vezes no nosso contexto a iniciação de certos atos sexuais com alguém mais velho pode também contribuir para educar o rapaz mais novo a saber como tratar sua primeira namorada.

    ResponderEliminar
  5. Tantas recordações que nos vieram à memória. O caminho da descoberta passa por aí, sem dúvida. São momentos que nunca se esquecem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade. Trata-se da melhor descoberta em que o sexo é aprendido com quem amamos.

      Eliminar
  6. Tantas recordações que nos vieram à memória. O caminho da descoberta passa por aí, sem dúvida. São momentos que nunca se esquecem!

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde
    Antes demais, parabéns pelo post.
    Depois, tenho saudades desses momentos da juventude, apesar de agora ser bem diferente. Existe mais liberdade para estes bons momentos se proporcionarem. Quem me dera essa juventude, e saber o que sei hoje.

    Actualmente é tudo muito mais à frente. No meu tempo havia muita inocência, timidez para a elaboração da coisa, também muito controle...kkkkk A Única coisa de bom que tinha, é que ia namorar de saia,:).


    Beijoos
    Anjinha Sexy

    Visite-nos: Prazeres e Carinhos Sexuais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!

      Realmente a liberdade que temos hoje é incomparável com os tempos em que tivemos a tutela de nossos pais.

      Talvez se na juventude soubéssemos o que hoje sabemos, por certo não teríamos tido as mesmas experiências que boas ou más vieram a nos enriquecer.

      Já não me importo tanto e não ser mais tão jovem, mas, sim, em manter uma certa jovialidade nos pensamentos e sentimentos junto com a maturidade, obviamente cuidando o suficiente da saúde.

      Beijos

      Eliminar
  8. Dentre as picantes imagens que expôs, umas das que mais gostei foi o da jovem brincando com o pênis do seu namorado, aproximando-o com muito prazer dos lábios vaginais. Trata-se de um prazer seguro, responsável e sem dor. Lindo!

    ResponderEliminar
  9. Recordar é viver! Ao ler este belo artigo vieram-me à memória os bons velhos tempos da minha juventude. O tempo das escapadinhas furtivas mas que sabiam tão bem e o desejo estava sempre ao rubro. O 1ºbeijo inocentemente dado sem haver outras carícias, essas só muito mais tarde e com ingenuidade passando depois a uma outra dimensão.
    Há décadas não existia a liberdade actual em que os jovens saiem de casa sem qualquer repressão. Mas o fruto proibido era o mais apetecido e os toques mesmo suaves arrebitavam e de que maneira!!!!!!
    Adorei a abordagem do seu artigo Nuno Filipe, fez reviver memórias e pensar que tudo valeu a pena e que as descobertas de outrora culminaram num "saber" sem precedentes.

    ResponderEliminar
  10. Meu amigo Nuno... perdoa-me a demora em vir aqui!!!
    Os tempos juvenis são tempos de descoberta... de entendimento do próprio corpo... de temores, de amores, de medos e de, muitas vezes, decepções....
    Teu post retrata o poder da descoberta, do que tempos de mais precioso, que é a sexualidade....
    Obrigado Nuno, pela amizade e por compartilhar tua visão crítica do mundo!!!!
    O fechamento do post é imutável, perfeito: "A adolescência é única. Linda. A descoberta corporal é maravilhosa."

    ResponderEliminar
  11. Passei por cada uma dessas fases... algumas mais que uma vez, e ... Obrigado por me fazeres lembrar :)

    ResponderEliminar