terça-feira, 2 de agosto de 2016

Empresário, viúvo, carente, cai nos braços da jovem empregada, sentindo-se nas nuvens.

Eugénio Monteiro, empresário, do Porto, de 62 anos, viúvo há 5 anos. Maria Inês, 29 anos, é a sua empregada doméstica há 3 anos, moça recatada, muito habilidosa limpa e organizada nas lides domésticas, é  livre. Como é de muito longe, (transmontana) é considerada "empregada interna", ou seja, dorme lá.
Seu Patrão sempre foi muito atencioso e educado para consigo. Um dia, Maria Inês encontrou seu patrão Eugénio, em baixo, triste, desanimado com a vida...
Nessa altura, foi ela mesmo que lhe deu ânimo, com palavras de carinho e conforto. A partir desse, dia começou a existir uma empatia entre os dois. Começaram a conversar muito mais, sempre que o empresário chegava a casa, ou seja, acabou o preconceito ente patrão e empregada. Todos os dias, sentados no sofá, bebiam um whisky, enquanto conversavam e viam TV...Os carinhos entre eles surgiram naturalmente. Eugénio para além de meigo era uma pessoa de certas carências. Maria Inês, moça um pouco tímida, mas mostrou afecto para com seu patrão. Num momento em que já estavam um pouco tomados pela bebida, a coisa aconteceu....
Maria Inês, sentou-se ao colo de Eugénio, dando inicio ao momento mais quente dos últimos tempos, para o empresário. O momento aqueceu, estavam loucos, ardendo de tesão e calor. Eugénio despiu Inês e mesmo sentados, a loucura foi total. Ele estava rendido pelo encanto, deslumbramento e desempenho da empregada. Sentia-a húmida qual vulcão excitado....Seu corpo dançava, enquanto o beijava ao ritmo da sua tesão.

Deixaram a timidez e carências de lado, e entre os escaldantes beijos, palavras doces, carinhosas, e suores que escorrem pelos corpos, deixaram o tempo correr a seu favor, as posições foram algumas. Não havia pressas. A noite era longa...O momento era tão importante como a vida.  Eugénio Monteiro, superou-se, sentindo que a estava a satisfazer, satisfazendo-se também. (depois de um longo jejum),chegou o momento em que o vulcão entrou em erupção, e a lava ardente fez-se notar.

Depois desse dia, a cumplicidade entre ambos, passou a ser diferente e muito colorida.

19 comentários:

  1. Livres e desimpedidos, se houve química porque não :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo totalmente contigo, Miúda ;)

      Obrigada pelo carinho.

      Bjos

      Eliminar
    2. madagascar2013, Não sabe? às vezes acontece.

      Bjos

      Eliminar
  2. Vumplicidade é a palavra chave se houver atração, não interessa mais nada, nem idade,nem aparência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Scorpion. Quereria dizer "Cumplicidade", Claro que sim, juntamente com atracão e carinho. O resto nada importa.

      Obrigada pelo carinho.
      Bjos

      Eliminar
  3. Essa coisa de empregada com patrão é sempre um fetiche muito excitante.
    Adorei o conto.
    Desejo-lhe um dia repleto de alegrias.

    Beijos de {Λїta}_ST

    http://odiariodaescrava.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá VITA, tens razão. E quando ambos estão de acordo, está tudo bem.

      Obrigada pelo carinho
      Bjos

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Mariangela, outro para si.

      Obrigada pelo carinho
      Bjos

      Eliminar
  5. Sempre seus contos me deixando excitado...

    beijos e desejos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hot Spot, verdade? Fico feliz por isso. Ainda bem.

      Obrigada pelo carinho
      Bjos ;-)

      Eliminar
  6. Uma terna e deliciosa história...
    Uma história que começou baseada no respeito, no carinho, na ternura e na meiguice.... o relacionamento entre os dois tem tudo para continuar por muito tempo....
    Bela e deliciosa historia de amor, com o fundo do sexo!!!
    Parabéns!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, PEQUENOS DELITOS RENOVADOS, que bom que gostou.

      Bjos e obrigada

      Eliminar
  7. Com amor tudo fica mais gostoso.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cadinho RoCo
      Bem verdade.

      Obrigada pelo carinho
      Bjos

      Eliminar
  8. Ótimo post!

    Embora se deva ter cautela nessas relações afetivas entre patrão e empregada, para o amor não existe regras. Em que pese haver alguma subordinação quanto ao serviço prestado, há sentimentos e desejos capazes de romper as barreiras da padronização do compromisso trabalhista. Aliás, no sexo é quanto muitas dessas coisas formais se dissolvem de modo que já não há mais patrão e empregada, rico e pobre, mas dois amantes vibrando pelo prazer.

    Tenha uma excelente quarta-feira!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ,
      Bem verdade, e acontece bastante. Apesar de sabermos que muitas vezes é por interesses.

      Obrigada pelo seu carinho.
      Bjos

      Eliminar