segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Dentro da vertente sexual, o que dizer da prática do stealthing?. Será um crime sexual ou sádico prazer na acção?

Estando com uma amiga sentadas numa esplanada, algures em Lisboa, a beber um café, derivado à proximidade, não pude deixar de ver e ouvir, que numa mesa ao lado, se encontravam duas jovens amigas, e uma delas dizia para a outra: Sabes C … ontem à noite, o meu namorado, queria fazer amor comigo. Mostrou-me inclusive uma caixa de preservativos que havia comprado. 

Perante a minha recusa, por não estar a fim, diz-me: Não tenhas receio que não vou usar em ti a prática do stealthing. Sabes amiga: fiz-me desentendida mas não percebi o que é que ele queria dizer com aquela cena do stealthing. Sabes o que é? - Não, respondeu a amiga. 

Acto continuo, levantaram-se, despediram-se, com um até amanhã, tendo aquela que se chamava C … num tom quiçá jocoso, dito para a amiga: » Olha, tem cuidado com o stealthing, seguindo o seu caminho, rindo com gosto.

Saí daquele local, pensando na conversa das raparigas, dizendo para comigo: - A verdade é que toda a gente sexualmente activa devia/deve ter cuidado com a prática do stealthing.

Mas afinal no que consiste essa prática? Existe ou não existe?

Sim, existe. O vocábulo stealthing, deriva da palavra inglesa “steal”, a qual significa roubar. Em português, numa tradução livre, significa “dissimulação, desfaçatez no uso”, entre outros termos análogos. Ou seja: 

- - - ""stealthing, é o ato de um parceiro, secretamente, remover o preservativo,  imediatamente antes, ou durante o ato sexual, quando o outro parceiro, só havia admitido ter relações sexuais mediante o uso desse, numa clara intenção da prática de sexo seguro "".

Esta prática tem cada vez mais adeptos entre os jovens, nomeadamente dentro da comunidade Gay, bem como, numa relação ocasional homem/mulher É uma prática extremamente perigosa, pois pode existir o perigo da existência de contágio de DSTs (doenças sexualmente transmissíveis), ou até de uma gravidez completamente indesejada.

Até hoje, que se saiba com certeza absoluta, somente um individuo de nacionalidade francesa, foi condenado, em 2016, na Suiça, pela prática do stealthing, tendo o tribunal considerado a existência de ESTUPRO/VIOLAÇÃO, visto que a relação praticada não tinha acontecido da forma que havia sido combinado com a parceira.

A Lei portuguesa nunca condenou ninguém por esta acção que muitos consideram delituosa, ou seja, crime.

Embora seja difícil de provar, a verdade é que, muitos juristas são de opinião que tal facto, sendo provado, se pode enquadrar, nos conceitos de: » Estupro, Agressão sexual, Violência sexual e/ou Perigo de contágio venéreo.

Que eu tenha conhecimento, em Portugal, ainda ninguém foi condenado por esta prática, talvez por nunca ter existido, ou a existir, não ter sido feito queixa, sobre essa matéria, razão pelo qual, não existe assim jurisprudência que a ateste, e daí, ainda não se encontrarem previstas medidas criminais para essa situação.

Assim, nada melhor que, a parceira ou parceiro passivo, seja a/o própria/o a colocar o preservativo no parceiro activo, ficando o mais atento possível ao comportamento desse, se possível de forma a estar sempre a ver o pénis, mudando inclusive de posição, caso esteja de quatro, ou deitada/o de costas estando o activo deitado sobre si, a fim de não ser surpreendida/o por uma situação, tanto de desagradável, como de altamente perigosa para a sua saúde.

Antes da relação acontecer e desde que se queira o uso do preservativo, devem os intervenientes, falar abertamente um com o outro, de forma a não haver dúvidas que, a relação sexual, só vai acontecer se se fizer uso do dito preservativo, o qual, nunca pode ser retirado durante todo o tempo que dure a relação.

Existe também dentro da área jurídica quem insira a prática da retirada do preservativo, como sendo uma quebra de contrato, antes "assinado", embora de forma verbal, na área sexual, pelo que, admitem que sejam informadas as autoridades, sobre o facto dessa quebra, por parte do sujeito activo.

Deve também, caso seja vitima dessa acção (steathing = dissimulação) fazer de imediato testes de DSTs, antes de voltar a ter relações sexuais, pois só assim se previne o risco de não contaminar outro alguém, caso tenha sofrido essa enfermidade.

Todas as pessoas devem ter a consciência – infelizmente ainda existe quem faça da maldade, estilo de vida  - que a prática sexual deve ser sempre um prazer, ser desfrutado como tal, razão pelo qual, é essencial tomar medidas de prevenção que torne o sexo belo e bom, numa actividade normal, prazerosa, e sem qualquer grau de preocupação, tanto psicológica como física.

A palavra é sua.
.

26 comentários:

  1. Sem dúvida que, a acontecer, é uma maldade muito perigosa. Quam o faz não merece respeito algum, pois se o faz quando combinou não o fazer, por alguma razão foi.
    Bom texto sem qualquer dúvida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia Max Men

      Fazes um comentário muito lúcido e incisivo. Gostei e concordo na íntegra contigo
      Beijinho

      Eliminar
  2. Respostas
    1. PEQUENOS DELITOS RENOVADOS

      Bom dia meu amigo e MUITO amigo deste nosso cantinho.

      Falamos de coisas muito sérias mesmo muitas vezes fazendo-o com alguma ironia. Alertar para determinados perigos, sejam eles de que vertente for, é sempre de louvar: Não concorda?

      Eliminar
  3. Excelente e elucidativo texto! O respeito é lindo. Acho uma grande falta de respeito pela parceira, ao "romper uma ordem" imposta, pela segurança de ambos. Existem homens e Homens.

    Parabéns Vanessa pelo excelente artigo que, mais uma vez me surpreendeu pela positiva. Apenas desconhecia o nome.

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Dalila Lopez

      Certíssima a tua opinião, minha queria amiga. A tua clareza de opinião é linda e maravilhosa. É tal e qual como escreves. O respeito é muito bonito e as pessoas gostam.
      Beijinho

      Eliminar
  4. Um tema que versa sobre um assunto muito delicado: Sexualidade
    Essa, deve ser livre e entendida como tal. Infelizmente ainda existe quem assim não o entenda e se julgue, ou dono do mundo, ou um ser superior que não deve respeito a nada nem ninguém, ou ainda possuidor de uma mente maldosa. Existe também aqueles que, estando infectados com a SIDA por exemplo, pensem que, se vão morrer têm que levar muita gente com ele. Pensamento triste e infeliz. Grande Tema amiga Vanessa Flor. Oxalá seja lido e entendido por quem deve viver a sexualidade em Paz, em Harmonia, com Prazer e Verdade.

    Bjuuuuuuuuuuuuu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nuno Filipe

      És um querido. Adoro-te e mais não digo. Grata pelo teu belíssimo comentário, com o qual concordo na íntegra.
      Beijinhos

      Eliminar
    2. "Existe também aqueles que, estando infectados com a SIDA por exemplo, pensem que, se vão morrer têm que levar muita gente com ele."

      Vão morrer? Sabe do que está a falar?

      É capaz de indicar alguém que pense dessa forma ou é uma confabulação preconceituosa da sua parte?

      Conhece alguém com SIDA? Ou sequer com HIV? Sabe a diferença?

      Sabe qual é a esperança média de vida destas pessoas? (resposta: https://www.dn.pt/sociedade/interior/esperanca-de-vida-adicional-de-um-doente-com-vih-e-de-mais-45-anos-5528695.html)

      Acha que vão morrer de SIDA?
      Não estamos na década de 80!

      Façam o favor de de informar antes de espalhar preconceitos...

      Eliminar
  5. Nunca esquecer que as doenças venéreas não acontecem só aos outros, sejam heterossexuais, homossexuais, Trans, troca de casais. encontros ocasionais etc.. Antes prevenir que remediar.

    Esta publicação BRILHANTE que a Drª Vanessa Flor nos oferece merece toa a atenção, a fim de uma leitura atenta.

    Sabemos que a maldade humana não tem limites. Se não existe uma lei específica que castigue essas acções maldosas, deveria haver. É que o sexo só é legal se for feito de comum acordo, de forma consentido, entre os parceiros. Tudo o que assim não for, tem de haver punição para quem prevarica. Decerto que, havendo coragem de denunciar, o castigo será aplicado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu amigo Gil António

      Deixaste-me comovida com o carinho que me dedicaste no teu comentário que também considero BRILHANTE.
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Não conhecia o termo dado a essa prática. Penso que se houver denuncia às autoridades criminais sobre a remoção não consensual do preservativo durante o ato sexual, de alguma forma, sendo provado, haverá condenação para o sujeito que não respeitou o acordo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Raquel Pinto

      Mesmo sendo difícil de provar o certo é que deveria haver queixa às autoridades judiciais. Mas por vezes a coragem e a vergonha do ofendido/a não deixam que tal aconteça. Provado penso que se consegue a condenação do abusador.
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Pode até ser crime mas é muito difícil de provar, ao nível criminal, que houve acordo para. Mais fácil provar-se que foi retirado através de exames se o individuo ejacular dentro da parceira ou parceiro.
    Amei ler o tema.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lenita Sousa

      Sim, concordo que, é muito difícil de provar. Não havendo testemunhas é a palavra de um, contra a palavra do outro. Sim, é verdade. É muito complicado e difícil provar o delito.
      Beijinhos

      Eliminar
  8. De certeza que já o fizeram no nosso país, o que acontece é que não fazem queixa, devem ter vergonha de contar o que aconteceu.
    Façam-me isso que eu mudo-lhes o sexo. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida amiga, Lírio Selvagem, boa tarde

      Fizeste-me rir com gosto. Essa de lhe mudar o sexo está demais.
      :-)

      Eliminar
  9. Fantástico e actual tema. Nunca é demais prevenir. Sabemos que existem homens estúpidos, como mulheres. O respeito mutuo é importante. Pode existir uma doença seja no homem ou na mulher.
    Admiro a vontade da Dª Vanessa, sempre empenhada em abordar temas tão importantes como este. Obrigada por me dar a conhecer mais um nome que desconheciam. Sempre muito enriquecerdes os seus artigos.

    Bjos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Larissa Santos

      Obrigada pelo teu carinho colocado nas tuas sábias palavras. Os elogios não seriam necessários mas entendo-os pela beleza do teu coração que sei ser de um carinho infinito.
      Beijinhos querida amiga.

      Eliminar
  10. Pego-me a preguntar qual prazer haverá na quebra de confiança em uma relação íntima? Belíssima e mais que oportuna publicação, parabéns.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cadinho RoCo

      O prazer está inserto na maldade da pessoa ativa. Nada mais que isso.
      Grata pelo elogio à minha publicação

      Eliminar
  11. Parabéns pelo tema!
    Pode ser que muitos homens o leiam e se lembrem que a mulher precisa e MERECE respeito. Ou vice versa. É triste sabermos que em pleno século XXl, ainda existem "criminosos/as" se assim lhes podemos chamar. Basta pensar...
    ADOREI

    Beijoos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anjinha Sexy

      Maldade e apenas isso: Pura maldade na pessoa que não respeita a sua parceira ou parceiro. Infelizmente ainda existe na sociedade pessoas que para elas o respeito pelo seu/sua semelhante é igual a zero
      Beijinhos

      Eliminar
  12. É a coisa parece realmente muito séria!
    Seria uma grande falta de responsabilidade se uma das partes agira de forma tão dissimulada! A prática do steathing é perigosa. Por isso todo cuidado é necessário na escolha do parceiro para momentos íntimos!

    ResponderEliminar
  13. Realmente é uma conduta contrária à ética e que pode dar ensejo a uma indenização por danos morais. Principalmente se o parceiro que foi vítima não conseguiu evitar o ato sexual inseguro, sem a possibilidade de interromper a relação ou de, por exemplo, substituir a penetração por uma masturbação na qual não haveria riscos. Porém, mesmo assim não estaria afastado o constrangimento por uma frustração de expectativa quanto ao combinado.

    ResponderEliminar