terça-feira, 22 de maio de 2018

Delírio e Suor em Volúpia Corporal



És o meu amor, calmo, sereno, tocante
A mulher da minha vida, a louca amante
O rio onde nado em margens de desejo
A árvore que me acolhe, o meu ninho
O meu deleite, o poema, a pele que beijo
A música em que me deixo adormecer
O corpo que dispo em luxuria e carinho
Onde me perco nas orlas do anoitecer
Lendo versos libidinosos por desvario
Perdendo-me nos meandros do teu ser


És o meu lírico desejo em libido devasso
A folha em branco que por desejo beijei
As curvas por onde sem rumo caminhei
Perdido nas margens do meu embaraço
Onde destrinço as linhas do meu cansaço
Em que o fogo ardente em que me tornei
Se apaga no suor de dois corpos unidos
E que tantas vezes exaustos e vencidos
No prazer dos nossos lábios humedecidos
Ficamos unificados num apertado abraço
.

5 comentários:

  1. Mmm muy sensuales tus letras.

    Un placer leerte.

    Besos.

    ResponderEliminar
  2. Poeminha gostoso misto de ternura e tesao. Muito bom bjokas Nuno

    ResponderEliminar
  3. Olá Nuno Filipe, parabéns pelo poema. Sensualmente lindo. Sublime! ;)))

    Beijinhos molhados.

    ResponderEliminar
  4. Muito bom o poema. Visitem meu blog :)

    ResponderEliminar

Deixe a sua opinião sobre o que acabou de ver e ler mesmo que seja menos positiva. Essa, nos ajudará a sermos cada vez mais exigentes nos textos que escrevemos e temas que abordamos.