quinta-feira, 21 de junho de 2018

Homem casado com mulher, tendo deliciosa relação sexual gay


Existe um ditado bem português que diz: “ Nem tudo o que parece é”. No dia a dia da vida das pessoas tal ditado, por vezes, é a verdade completa.

Diogo Siqueira tem 35 anos de idade. Casou com Manuela aos 25. Têm duas filhas, uma de 8 e outra de 6 anos. É camionista profissional, de longo curso, desde os 26 anos.

Nas suas viagens para o estrangeiro, sempre teve o Felício, rapaz mais novo que ele, apenas um ano, como segundo motorista, visto que o camião, sempre circulava carregado, tanto para lá como para cá, não podia parar, salvo pequenos momentos para aliviar as costas e as pernas.

Salvo raras excepções, um conduzia, enquanto que, o outro, dormia na cama da cabine do camião.
Quando circulavam um ao lado do outro, conversavam sobre factos banais, das suas vidas. O Felício namorava com uma rapariga que trabalhava no Amoreiras.

Diogo gostava da maneira de falar e do estilo de homem que era o Felício. Nos dias de calor, Diogo conduzia com uma T-shirt, enquanto que, a seu lado, o Felício ia em tronco nu, e vice-versa.

Mês de Dezembro, muito frio, estavam em Amesterdão, Holanda. O Felício fazia 28 anos de idade. Cerca das 22H00, foram a um bar beber algo em comemoração do aniversário do Felício. Como só viajavam para Portugal, pelas 08H00, decidiram ir até ao camião, e dormir um pouco. Felício foi para a cama e o Diogo deitou-se nos bancos da cabine. Tinham ligado a sofagem. 

Conversavam animadamente. Diogo reparou que o Felício se masturbava por baixo de um lençol com que se tapava. Felício também reparou que o Diogo o olhava Felício pegando na mão do Diogo leva-a até ao sem membro que estava duro como pedra. Diogo aceitou o repto e acariciou, para baixo e para cima, o pénis do Felício.

Felício retribuiu o carinho, convidando o Diogo a deitar-se a seu lado. Quase que não existiam palavras, mas apenas gestos. Eram gestos de enorme tesão. As cortinas da cabine do camião estavam fechadas. Beijaram-se. Começaram a masturbar-se mutuamente. No auge da tesão, Felício virou o Diogo e, começou a passar saliva entre as suas nádegas. Enquanto isso encostava a cabeça do pénis ao ânus do Diogo. Este, quase sem saber porquê, facilitava e abria-se ao total prazer. A introdução aconteceu, ainda que muito lentamente, pois Diogo era virgem no ânus pois nunca tinha dado para homem algum. Tudo aconteceu dentro de um misto de dor e prazer.

A seguir, Diogo busca o creme de barbear e passa no cu do Felício. Foi um sexo anal gostoso, maravilhoso, pois ambos gostaram. Acabaram por adormecer muito juntinhos.

A partir desse dia, muitas mais vezes o sexo entre ambos aconteceu, sendo que muitas vezes, parando para um período de descanso, nos locais próprios, que existem nas Estações de Serviço, se entretinham a fazer sexo oral um ao outro, e assim a viagem tornava-se muito mais agradável.

Actualmente já não viajam juntos. Felício entretanto casou e foi trabalhar para uma outra empresa. Diogo nunca contou à mulher essa sua relação gay. Vivem felizes, amam-se, e amam as suas filhas de coração.

Não será certamente uma estória única entre homens e mulheres casadas. Acredito que muitas mulheres casadas também já alguma vez fizeram sexo lésbico com uma amiga, companheira de escola/faculdade/trabalho.

Diogo um dia pensou em contar à mulher. Mas achou preferível calar-se a fim de não a machucar, visto que, na sua opinião a mulher não ia entender.

A verdade é que o sexo gay entre dois amigos que viajam muitas vezes juntos pode acontecer. Não direi que seja normal mas também não direi que é uma anormalidade do outro planeta. As coisas acontecem, pois a solidão das viagens, a ligação das conversas entre eles chega muitas vezes à intimidade e daí a aproximação ser maior.

Será que tem uma opinião sobre o que acabo de escrever?
Sendo interveniente num ato assim contaria ao seu conjugue? 
.
NOTA: Todos os nomes insertos nesta narrativa, são fictícios como penso que entenderão.

20 comentários:

  1. Tantos em homens como em mulheres existem muitos casos análogos que ficam para sempre guardados no segredo na alma de cada um. Gostei muito de ler por, sendo um relato fictício ou não, a verdade é que seria muito fácil de acontecer.

    Beijinho, Fábio Luz.

    ResponderEliminar
  2. Gracias en el blog hay un traductor por si te puede servir para seguir leiendo. Gracias por tu paso significa mucho ya que un personage que me hace la vida imposible diciendo que le copio poemas y muchos seguidores se han ido
    Besos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. TRADUZINDO

      Obrigado no blog há um tradutor se pode ser útil para você continuar lendo. Obrigado pelo seu passo significa muito desde uma personagem que faz a minha vida impossível dizendo que eu copio poemas e muitos seguidores deixaram
      Beijos

      Eliminar
    2. ANNA

      Temos o TRADUTOR na barra, lado direito, ao cimo, para quem entra e olha o blogue.
      Beijinho, volte sempre.

      Eliminar
  3. Gostei Fábio, neste caso, a ocasião não fez o ladrão mas fez uma boa sessão de prazer. Sempre bom explorar novas vertentes. Um beijo

    ResponderEliminar
  4. A dor existe onde a diversidade e a ausência de verdades habitam. Muito bacana esta história de entrelinhas!

    www.sinaisdemimtl.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  5. Fictícios ou não,o facto é que, é um tema muito bom e, que pode muito bem acontecer por essa estrada fora! E so fazem bem. A vida é curta, há que a gozar.
    Muitos parabéns fofinho :)))

    Beijinhos molhados.:)))

    ResponderEliminar
  6. Não será fácil um homem ou uma mulher contar à esposa ou ao marido que teve uma relação homossexual. Acredito que muitos fiquem calados a vida toda.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. sempre que me falam de camionistas, lembro-me da canção do palma:
    enquanto houver estrada p'ra andar,
    a gente vai continuar,
    enquanto houver estrada p'ra andar.
    enquanto houver ventos e mar,
    a gente não vai parar

    ResponderEliminar
  8. Um tema muito bom. Aconteceu e pronto. Não tem que contar à esposa. remexer no passado por vezes não faz bem. Porém, eles fizerem muito bem. Então mais valeu consolarem-se um ao outro que ir às meninas! ;-))
    Parabéns, Fábio!

    Beijoos

    ResponderEliminar
  9. As vezes mais vale nao contar fica no segredo entre os dois. Boas recordacoes sao para ficar na memoria. Bjs Fabio Luz

    ResponderEliminar
  10. Pessoalmente acho que contaria, pois sou péssima mentirosa!

    Bjxxx
    Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  11. O segredo deve ser guardado... para quê estragar o que agora vive com uma historia do passado.
    Abraço

    Hoje em Caminhos Percorridos - cuidado com as mensagens do whatsapp

    ResponderEliminar
  12. Bom dia. Quantas estórias assim não existem?? Sabem aquele provérbio; "Quem tem fome cardos come" é mais ou menos isso. Adorei. O melhor continuar a guardar para ele.

    Hoje:- Podem até chegar tempestades

    Bjos
    Votos de uma óptima Quinta - Feira

    ResponderEliminar
  13. Muito boa este conto, meus parabéns.

    Arthur Claro
    http://www.seminudez.blogspot.com

    ResponderEliminar
  14. Gostei de ler... Isto deve acontecer tanto :)

    ResponderEliminar
  15. Pra que contar? O segredo é a alma da cumplicidade entre os dois. Em segredo tudo é mais gostoso.

    ResponderEliminar
  16. Olhos que não vêem, coração não sente ;)

    Isso é mato lololol entre homens e mulheres, acho eu

    ResponderEliminar
  17. Episódio bem tenso. Não sei afirmar se os homens em questão são gays.

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderEliminar