sexta-feira, 8 de junho de 2018

Incesto:» Sexo gay entre dois irmãos. A minha 1.ª vez. Do carinho ao Prazer.


Tenho 27 anos de idade. Meu nome é  “Manuel”. Resido na zona de Setúbal onde trabalho. A história que lhes vou contar é real. Tenho um irmão, o “Wilson”, mais velho dois anos, que reside e trabalha actualmente no Porto.

Em 2010, vivíamos com os nossos pais na zona da Ericeira. Eu e o meu irmão, sempre dormimos juntos, pois a nossa casa era muito pequena e só tinha dois quartos, sendo que um, era onde dormiam os nossos pais.

Nunca tivemos problemas em dormir vestindo apenas uma calça, ou calção, de pijama, sendo que muitas vezes, nos meses de verão, até dormíamos nus. Nunca tive espírito Gay, nem nunca reconheci no meu irmão, que alguma vez tivesse qualquer interesse por homem. Ambos tínhamos namoradas.

Nos meses de Inverno dormíamos encostados um ao outro, fazendo eu, ou ele, conchinha para estarmos mais unidos e quentinhos

Em Agosto de 2010, fomos a um baile particular em casa de um amigo, que fazia 20 anos, com música tirada do You Tube. Éramos cinco amigos e cinco amigas. Dançámos, comemos, bebemos, fumámos, reinando a boa disposição e alegria.

Como no outro dia, era dia de aulas, fomos para casa cedo, cerca das 01H00. Eu e o Wilson, antes de ir para a cama, tomámos juntos, um banho de chuveiro, como era hábito. Fazia um calor de fazer suar. Ambos vestimos uma calça de pijama e fomos deitar sempre conversando animadamente.
Algum tempo depois, diz-me o meu irmão:

- Vamos dormir?
- Vamos, respondi.

Virei-me para o outro lado. Como acontecia tantas vezes no Inverno, senti o meu irmão encostar-se a mim de conchinha. Normalíssimo. Senti o seu braço abraçar-me carinhosamente como sempre acontecia. Peguei na mão dele e dei-lhe um beijinho.

Penso que esse beijinho terá sido o “fósforo” que fez acender a chama. Logo no imediato, algo duro foi encostado às minhas nádegas. Senti como o meu querido irmão estava excitado. Fiquei também excitado ao sentir aquele carinho tão doce.

Ambos estávamos bem acordados. Voltei a beijar as costas da mão do meu irmão, enquanto sentia como ele se mexia e roçava no meu cu.

- Mano, desculpa, sussurra-me baixinho

- Respondi com outro beijo na sua mão e dizendo-lhe: Não peças desculpa, está a ser bom.

Beijou-me carinhosamente no pescoço. Com a sua mão, que eu segurava, puxou a minha até ao seu sexo. Deixei-me conduzir. Toquei-lhe. Estava duro como pedra. Entretanto a mão do meu irmão desceu pelo meu corpo e acariciou-me o pénis que também já se encontrava duro. Começámos a masturbar-nos devagarinho um ao outro. 

Notei que o meu irmão baixava a calça do pijama ao mesmo tempo que tentava baixar a minha. Facilitei, pois estava a adorar aquela brincadeira. A nossa excitação era enorme. O meu irmão guiava a minha mão, que acariciava o seu pénis, em direcção à abertura das minhas nádegas enquanto colocava saliva em abundância no buraquinho do meu cu.

A nossa respiração era ofegante. Senti como a cabeça do pénis do Wilson se encostava ao meu cu.

Senti dor. Contrai-me. Descontrai, sussurra-me o meu querido irmão ao ouvido. Facilita, relaxa, estamos só a brincar, e ambos estamos a gostar. Senti entrar a cabeça do pénis. Doeu-me muito. 
Era a 1.ª vez que tal acontecia, pois nunca tinha tido nada com algum homem e muito menos com o meu próprio irmão.

- Relaxa mais um pouco.

Começou num vai e vem lento, muito lento, enquanto colocava mais e mais saliva. A dor foi desaparecendo pois os anéis do cu começaram a relaxar. 

- Estás a gostar, pergunta-me o Wilson.
- Sim, mano, muito.

Sempre lentamente, foi metendo o pénis até ao fundo. Senti os colhões dele baterem nas minhas nádegas. O seu arfar aumentou e o vai e vem também. Beijava-me e masturbava-me com a sua mão.

- Mano, vou-me vir, digo-lhe.
- Eu também, meu querido irmão

Meteu todo dentro do meu cu. Senti o quente do seu sémen invadir-me as entranhas.
Ficámos encostadinhos, como fica quem se ama e faz amor. Ele abraçado a mim.

- Foi tão bom não foi Manel – era assim que me chamava.
- Uma delicia maravilhosa, respondi.

A seguir, sempre abraçadinhos, falámos de coisas banais e adormecemos. Trocámos de posições durante mais 4 anos, até ele sair de casa a fim de casar e constituir a sua própria família. Há cerca de dois anos casei também. Hoje temos filhos, e nem eu nem ele nos consideramos gays.

Costumamos passar as férias todos juntos. Se já aconteceu fazermos amor nas férias?
Não confirmo nem desminto. Talvez numa outra história vos conte algo sobre isso.
Combinados?

14 comentários:

  1. Boa tarde Fábio Luz. Belíssimo e caliente conto entre irmãos. ( Se fazia calor de fazer suar, para que vestiram calça de pijama)? Já sei para incendiar o desejo. :)) Muito bom. Pode acontecer, e não fará deles menos Homens.
    E, certamente que em algum momento da vida actual falaram desses momentos íntimos passados, ou não!
    .
    Voam borboletas em desejos fugazes.

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Larissa Santos

      Vestiram calções de pijama porque é o natural quando se vai dormir.
      Beijinho

      Eliminar
    2. Sim meu doce, mas escreveste calças, kkkkkk Claro que é natural, como é natural dormi nu... :))

      Bjos ;)

      Eliminar
    3. Escrevi calças ou... calções...lol
      Bjo

      Eliminar
  2. Excelente este teu texto. Nada faz com que sejam menos homens nem pais de familia. Sera um segredo dos dois que faz com que sejam muito mais unidos do que eram antes. Bjinho Fabio Luz

    ResponderEliminar
  3. Muito bom Fabinho!;)))
    Bem sabemos que acontece muito, até entre irmão e irmã. Esta estória é cabeluda mas muito boa... imagino os segredos que escondem mas que devem ser divertidos. Afinal foi só mais uma experiência, que mal tem??:)))

    Beijinhos molhados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vandinha como diz um amigo meu sao experiencias para a vida
      Bjos

      Eliminar
  4. Óh céus... não me julguem por eu ser muito pervertida, mas porra... me excitou muito. Sempre achei sexo entre homens muito excitante, e inevitavelmente incesto também. Em ambas as coisas só consigo perceber sentimento de prazer e cumplicidade. Não vejo maldade. Acho que vou levar essa imagem na minha cabeça por muito tempo. A história foi contada de uma forma linda e delicada. E concordo com o pessoal nos comentários, ninguém deixa de ser menos homens por isso. Parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem duvida Nina nem um homem nem uma mulher deixam de serem quem são so por terem tido sexo e serem familia.bjinhos tbm te sigo no teu blog muito interessante

      Eliminar
  5. Um texto/verídico ou não, mas que acontece, acontece!Gostei bastante de sentir uma certa adrenalina! =))

    Bjinhos

    ResponderEliminar
  6. Realidade ou ficção o importante é a satisfação
    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Situações análogas acontecem mais vezes do que aquilo que se pensa. São a descoberta da adolescência. Depois a vida segue, forma-se família.
    Abraço, Fábio

    ResponderEliminar

Deixe a sua opinião sobre o que acabou de ver e ler mesmo que seja menos positiva. Essa, nos ajudará a sermos cada vez mais exigentes nos textos que escrevemos e temas que abordamos.